Administração Tributária ganha força na América Latina

19 Novembro 2018
(1 Votar)

Fenafisco representa o Brasil em evento na Argentina

Com o objetivo de debater o futuro da fiscalização tributária e seus desafios na América Latina a Asociación de Empleados Fiscales e Ingresos Públicos da Argentina realizou o Encuentro Regional de Sindicatos Tributários, em Buenos Aires, entre os dias 25 e 26 de outubro, reunindo representantes do Fisco do Uruguai, Chile, Brasil e Peru.

Abordagens em torno de instrumentos de eficiência, ampliação das redes de convenções internacionais e caminhos para a consolidação da cidadania e justiça fiscal no cenário globalizado pautaram o evento.

A Fenafisco foi representada pelo diretor Celso Malhani e pelo vice-presidente do Sindifisco-PA, Rafael Camèra – responsável por estreitar laços entre a Federação e entidades representativas do Fisco sul-americano.  Na ocasião os auditores fiscais brasileiros apresentaram um balanço das atividades e dos permanentes esforços empreendidos pela entidade para promover o fortalecimento e a modernização da Administração Tributária no Brasil.

Malhani destacou a importância do intercâmbio e da mútua assistência entre o Fisco latino-americano, no que se refere às demandas normativas, repressão à sonegação, planejamentos tributários e enfrentamento às ingerências externas sofridas pela fiscalização. “As administrações tributárias - essenciais ao funcionamento do Estado, ainda padecem de falta de autonomia para melhor combater os crimes fiscais. Precisamos fortalecer a luta por um novo modelo sistêmico de organização administrativa, que assegure autonomia para estes órgãos que exercem funções técnicas e estritamente vinculadas à lei”, defendeu.

O evento marcou a institucionalização de um novo espaço de integração – a Confederación Latinoamericana de Trabajadores de Ingresos Públicos, entidade recém criada que tem por finalidade fortalecer em âmbito internacional os pleitos dos sindicatos representativos da Administração Tributária, em defesa de acordos coletivos, normas setoriais e legislações que regulem a atividade, garantindo a autonomia administrativa, técnica, operacional e financeira – pressupostos fundamentais dos organismos fiscais.

Por meio da unidade sindical, a Confederación pretende atuar em defesa da classe fiscal levando a voz do Fisco aos fóruns de debate internacionais.

 

Ler 95 vezes Última modificação em Segunda, 19 Novembro 2018 10:38