Entidades do Pacto de Brasília discutem plano de ação contra o desmonte do serviço público

17 Setembro 2020

Nesta terça-feira (15), o diretor de Formação Sindical da Fenafisco, Francelino Valença, dirigiu reunião com representantes de entidades do Fisco, signatárias do pacto de Brasília, ao lado dos diretores Celso Malhani (Financeiro) e Glauco Honório (Projetos Especiais), para tratar das reformas administrativa e tributária, em discussão no Congresso Nacional.

Segundo Valença, o objetivo do encontro foi traçar estratégias de enfrentamento ao projeto de reforma administrativa do governo e ampliar o debate em torno da Reforma Tributária (PECs 45/2019 e 110/2019), no que versa sobre a Administração Tributária.

“Para lutar contra o desmonte do serviço público, é necessário a união do coletivo, defendendo os pontos necessários para o melhor atendimento da população, à exemplo da estabilidade, que é uma garantia ao cidadão de que o servidor vai atuar como agente do Estado”, defendeu Valença.

O grupo deliberou pela participação massiva nos fóruns de debates promovidos pelas entidades, a fim de trabalhar coletivamente com representantes de diferentes categorias do funcionalismo, além de integrar-se com as Frentes em defesa do serviço público e estabelecer um diálogo com os parlamentares.

O conjunto também pretende agendar uma conversa com o relator da reforma tributária, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), para expor suas ideias e contribuições em relação à proposta. No final de 2019, o grupo formado pela Anafisco, Anfip, Febrafisco, Fenafim, Fenafisco, Sindifisco Nacional, Sindreceita e Unafisco Nacional assinaram um texto que trata da organização e fortalecimento das carreiras da Administração Tributária no âmbito da reforma Tributária, versando sobre uma lei orgânica nacional.

Os representantes das entidades que compõem o pacto de Brasília, voltam a se reunir na segunda-feira (21), para alinhar a execução das estratégias. Além da Fenafisco, participaram da reunião, diretores da Anafisco, Anfip, Sindifisco Nacional, Sindireceita e Sinafresp.

Ler 42 vezes