SINDIFISCO-MT protesta contra a reforma da previdência

21 Março 2017

Sindicato dos Fiscais de Tributos Estaduais de Mato Grosso (Sindifisco-MT), o Sindicato dos Profissionais de Tributação, Arrecadação e Fiscalização (Siprotaf) e a Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital (Fenafisco) promoveram uma manifestação contra as reformas trabalhistas e da previdência propostas pelo governo federal. O protesto foi na tarde desta quarta-feira (15), no saguão da Secretaria de Fazenda de Mato Grosso (Sefaz) e fez parte da programação realizada em todo Brasil promovida pelas centrais sindicais. “A intenção é barrar PEC 287, que é a Reforma Previdenciária, porque ela vem simplesmente para retirar direitos dos trabalhadores em geral”, afirmou o diretor de Divulgação do Sindicato, Flávio Auerswald.

Ricardo Bertolini, presidente do SINDIFISCO-MT, alertou que o problema não é a Previdência. “Hoje, no orçamento da União, mais de 40% do montante arrecadado é usado para pagamento de juros da dívida pública e não se discute isso”. Ele lembrou que uma decisão liminar da 1ª Vara Federal de Porto Alegre suspendeu as propagandas do governo sobre a Reforma da Previdência em todas as mídias em que vêm sendo publicadas, por conta do tom de ameaça do fim da previdência.

Quem também contesta os dados e projeções do Governo Federal é a Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita do Brasil (ANFIP) e o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Segundo estudo feito em conjunto, “o governo federal se utiliza de métodos obscuros e instrumentos ineficazes, na tentativa de ‘orientar’ e dar alguma aparente legitimidade supostamente científica ao discurso oficial que propõe a retirada de direitos de milhões de brasileiros”, diz trecho da pesquisa, que pode ser acessada na integra neste link.

O presidente do SINDIFISCO-MT pontuou de forma contundente que é preciso pressionar os deputados federais de Mato Grosso a votarem contra a PEC 287. “ O que surpreende é que os deputados federais de Mato Grosso, em sua maioria, são favoráveis à aprovação desse projeto”, alertou. O ideal, de acordo com Ricardo Bertolini, é a rejeição integral, mas o SINDIFISCO tem mais de 100 propostas de emendas à PEC.

PEC 287

O projeto propõe mudanças como a exigência de 49 anos de contribuição para obtenção da aposentadoria integral, idade mínima de 65 anos para homens e mulheres se aposentarem, fixação de pensão por morte e outros benefícios abaixo do patamar do salário mínimo, entre outros.

Fonte: Pau e Prosa Comunicação

Ler 820 vezes Última modificação em Segunda, 24 Abril 2017 09:46