SINDIFISCO-RS | Artigo: Benefício fiscal é benefício para quem?

Nenhum empresário tem como objetivo principal se manter às custas de desonerações fiscais concedidas pelo Estado. O que o move é a obtenção de lucros. O que leva, então, um empresário a pleitear isenções fiscais e a brigar tão ferrenhamente quando se cogita de retirá-los? São coisas diferentes. Pleitear por isenções, do ponto de vista do empresário, geralmente tem a ver com a concorrência, isto é, a tentativa de obter margem para vender mercadorias ou serviços a preços iguais ou mais baixos que seus concorrentes. Todavia, após concedido, como é natural do ser humano, o empresário se apega ao benefício, porque sabe que sua margem de lucro diminuirá. No final das contas, em qualquer um dos casos, a motivação é sempre a mesma: o lucro.

SINDIFISCO-PA | Os super-ricos devem pagar a conta

Culpar o servidor é injusto num país com 60 mil super-ricos que nunca pagam a conta.

Na hora da crise é mais fácil culpar o servidor público e esquecer de cobrar dos super-ricos brasileiros – aqueles com patrimônio acima de R$ 10 milhões – que quase nunca pagam a conta. Esse é o teor da resposta que a Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital (Fenafisco) encaminhou ao jornal Folha de S.Paulo devido a matéria “Servidores no Brasil concentram 6 das 10 ocupações mais bem pagas”.

SINDIFISCAL-MS | Sindifiscal cumpre agenda com Governo de MS

Diretores reúnem-se com secretária de Administração

SIPROTAF-MT | Siprotaf protocola Mandado de Segurança cobrando resposta urgente do Estado sobre processo de estabilidade de servidores

O Siprotaf ingressou no último dia 18/08, com mais um Mandado de Segurança com pedido de Liminar, desta vez, exigindo que o Estado cumpra com o princípio da “Eficiência da Administração Pública” no que tange ao Cumprimento de Prazo Legal. É que, conforme comprovado por documentação reunida pelo Sindicato, a Superintendência de Provimento, Aplicação e Monitoramento, vinculada à Secretaria de Planejamento, está com processos referentes à estabilidade dos sindicalizados, parados, aguardando conclusão, há mais de 4 meses, fato esse que claramente extrapola o prazo legal de resposta, instituído por lei.