Depois de ensaiar envio da PEC do Pacto Federativo, governo decide deixar medida para um segundo momento

15 Março 2019
(0 votos)

Depois de ensaiar um envio imediato da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do Pacto Federativo ao Congresso, a equipe do presidente Jair Bolsonaro decidiu deixar a medida para um segundo momento, quando a reforma da Previdência ganhar velocidade. Existia uma disposição de acelerar a elaboração do pacto, que ainda não está fechado, para encaminhá-lo no início de abril aos parlamentares.

Seria uma forma de atrair com mais força o apoio de governadores e prefeitos para aprovação da mudança nas regras de aposentadoria. Uma ideia era que as duas medidas tramitassem praticamente em conjunto, uma na Câmara e outra no Senado.

Mas a avaliação é que, apesar de o pacto federativo contar com o apoio de estados e municípios, começou a gerar muito ruído e poderia prejudicar a prioridade do governo neste momento, que é a reforma da Previdência. As bancadas da saúde e educação, por exemplo, já começavam a manifestar suas resistências à medida.

A justificativa oficial é que a proposta ainda nem está elaborada. O que é verdade. Não passou pela aprovação final do ministro Paulo Guedes nem do presidente Bolsonaro. Agora, porém, a medida entra num ritmo mais normal, segundo assessores, o que significa que não irá ao Congresso nos próximos dois meses.

A proposta de emenda constitucional que proporá o pacto federativo vai descentralizar, desvincular e desindexar as verbas do Orçamento da União e terá alcance também para estados e municípios. A equipe de Paulo Guedes reforça que a medida segue prioritária dentro da agenda liberal do governo Bolsonaro e que não vai desistir da ideia.

Um assessor direto de Paulo Guedes diz que apenas o ritmo volta a ser o inicialmente programado. Primeiro, permitir que a reforma da Previdência ganhe velocidade e garantir que será aprovada com uma economia na casa de R$ 1 trilhão num período de dez anos.

Aí, destaca esse auxiliar, a reforma dará potência fiscal para que o Ministério da Economia dê continuidade à sua agenda liberal, que passa pela PEC do Pacto Federativo, a reforma tributária e a implantação do sistema de capitalização para garantir a aposentadoria dos jovens no futuro.

Fonte: G1

Ler 98 vezes