Bolsonaro diz não ter os votos necessários para aprovar a Previdência

Deu entrevista a Ratinho, no SBT

‘A bola agora está com o Congresso’

Mas se disse aberto a conversas

O presidente da República, Jair Bolsonaro, concedeu entrevista na noite desta 3ª feira (4.jun.2019) ao apresentador Ratinho, do SBT. Bolsonaro afirmou que ainda não tem os 308 votos suficientes para aprovar a reforma da Previdência.

A declaração vai na contramão do que Bolsonaro havia dito em entrevista a Luciana Gimenez, em 7 de maio. Na ocasião, afirmou que já havia votos suficientes para a aprovação da reforma no plenário da Câmara dos Deputados.

Bolsonaro disse ainda que está aberto para conversar com os deputados, a fim de obter o apoio para a PEC (Proposta de Emenda à Constituição). Segundo o mandatário, a “bola agora está com o Congresso”.

Falou também que a proposta não engloba todos os setores, referindo-se aos militares. Usou como exemplo 1 policial de 65 anos, que, segundo o presidente, não poderia atuar na rua por questões de segurança e de saúde.

MUDANÇAS NA CNH
Bolsonaro defendeu a proposta que reformula a CNH (Carteira Nacional de Habilitação), apresentada nesta 3ª (4.jun) na Câmara. De acordo com ele, há no Brasil uma “indústria de multas”.

“Está claro que isso é uma indústria da multa, alguém está levando com isso aí”, declarou o líder do executivo.

Afirmou que as regras atuais prejudicam principalmente os caminhoneiros. Para o pesselista, a quantidade de radares de velocidade no país é exagerada.

“Não é difícil pegar 3 multas graves”, disse, referindo-se aos pontos necessários para a suspensão da CNH –20 pontos.

 No texto entregue ao Congresso, é proposto 1 aumento do limite para 40 pontos. Contudo, Bolsonaro disse que “40 ainda é pouco para caminhoneiros e taxistas”, que rodam mais, por conta da profissão.

Criticou ainda os radares móveis e disse que, em 1 mês, pretende acabar com as multas aplicadas por esse sistema.

“Não quero mais aquela multagem mandraque, em que o agente fica escondido atrás da árvore no retão”, disse.

ELOGIO AOS MILITARES
Questionado por Ratinho sobre qual foi o ponto-chave desses 5 meses de governo, Bolsonaro destacou a definição dos ministérios. Disse que, dos 22 ministros, 5 são deputados e os demais passaram pelo seu crivo.

O presidente elogiou Tarcísio de Freitas (Infraestrutura) e o almirante Bento Albuquerque (Minas e Energia), ambos militares. Sobre o chefe da pasta da Infraestrutura, que é capitão do Exército, disse que faz 1 “trabalho excepcional”nas rodovias e nos leilões de aeroportos.

O mandatário afirmou que pretende construir a maior escola militar do Brasil no Campo de Marte, em São Paulo. Segundo ele, o projeto será apoiado por empresários.

Por último, disse que há 1 consenso de que as escolas militares estão entre as melhores. Porém que os sindicatos, que diz representarem uma minoria, “causam tumulto”.

MENOS RECURSOS PARA ONGS
Bolsonaro afirmou que pretende cortar recursos de algumas ONGs (Organizações não Governamentais). Disse que nenhuma ONG quer ajudar no Nordeste, mas que ,na Amazônia, “tem mais organizações que índios”. Também que muitas delas “alimentam” o MST (Movimento sem Terra).

“Tem muita ONG boa. Agora, grande parte a intenção não é essa”, declarou o presidente.

Ler 82 vezes