Maia pede que governo envie proposta de controle de gastos antes da tributária

Conversou com Bolsonaro neste domingo
Falaram sobre projetos no Congresso

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou na manhã deste domingo (06.out.2019) que pediu ao ministro Paulo Guedes (Economia) que o governo federal encaminhe uma proposta de controle de gastos antes de enviar sua proposta própria de reforma tributária.

“[O governo] deve trazer nas próximas semanas [a proposta de reforma tributária], mas o que pedi ao ministro Paulo Guedes –e ele já disse que essa era a decisão dele– é que primeiro encaminhe aquilo que trata das despesas, até porque tem uma proposta [de reforma tributária] que já caminha na Câmara e no Senado; que está andando com cuidado, esperando o governo mandar a dele”, disse Maia.

O congressista compareceu na manhã deste domingo à convenção nacional do MDB, na qual o deputado Baleia Rossi (SP) foi aclamado como presidente da sigla. É Baleia o autor da principal proposta de reforma tributária que tramita no Congresso. Veja fotos dele no evento:

Maia defendeu que seja construído “rapidamente” um consenso em torno de uma proposta para conter o avanço de gastos. De acordo com ele, o consenso precisa ser feito ainda neste ano.

“As despesas que crescem são as [despesas] que cuidam do passado. Crescer despesa obrigatória é olhar para o passado. Ampliar a capacidade das despesas de capital é olhar para o futuro. E a gente precisa que o Congresso olhe mais para o tempo futuro do que para o tempo passado”, disse.

O presidente da Câmara confirmou ter falado com Baleia sobre a reforma tributária, “porque é a reforma do MDB”. Disse que a proposta “está andando” e “vai estar aprovada quando vocês não imaginarem”. Acrescentou que “acha que o prazo é rápido, mas PEC [Proposta de Emenda Constitucional] é PEC, tributária é complexa”.

“Não dá para aprovar uma coisa errada”, disse.

 CONVERSA COM BOLSONARO
Maia teve encontro com o presidente Jair Bolsonaro às 9h deste domingo no Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência. Disse que a conversa “foi ótima”. Na pauta, os projetos em andamento no Congresso –como Previdência, já em fase final, e tributária– e também “a questão da cessão onerosa”.

“Foi ótima a conversa. Foi sobre a pauta, sobre os projetos, sobre a preocupação dele de que se organize a questão da cessão onerosa. Sobre isso, o presidente [do Senado], Davi [Alcolumbre], estava tocando. Ia dialogar com os senadores, com nossos líderes, para que a gente mostre que há unidade nas duas Casas. Não vai ter conflito de jeito nenhum”, afirmou.

Maia continuou:

“[Falamos sobre] os projetos [do governo] que já estão na Câmara, [sobre] os projetos que vão chegar… A reforma administrativa; a reforma da regra de ouro, que vem com gatilhos para a gente poder controlar as despesas obrigatórias do governo…”

O presidente da Câmara defendeu um texto único para a reforma tributária e disse que o trabalho está em andamento junto com o Senado. Ele confundiu o nome do senador.

“O Senado está terminando a Previdência. Nós estamos tratando da tributária junto com o senado. O senador Roberto Campos [na verdade, o nome do senador é Roberto Rocha] vai estar junto com o [deputado] Aguinaldo [Ribeiro] para a gente tentar fazer um trabalho juntos e sair um texto único desse trabalho”, disse.

Acrescentou que a prioridade é segurar o crescimento dos gastos obrigatórios:

“E [há] as outras propostas do lado das despesas que o governo está fazendo, que para mim, essas sim, são a prioridade. A gente precisa rapidamente controlar os gastos, senão tudo o que a gente vai fazendo vai se perdendo. Ou se organiza isso ou não adianta a gente pensar num Estado eficiente. Ele nunca será eficiente se as despesas correntes continuarem crescendo em detrimento da capacidade de investimento”.

Fonte: Poder 390

Ler 33 vezes