Reforma da Previdência dos militares foi 'a mais importante realização do ano', diz ministro da Defesa

Fernando Azevedo e Silva afirmou que Bolsonaro terá 'gratidão' dos militares e das suas famílias quando sancionar projeto

BRASÍLIA — O ministro da Defesa , Fernando Azevedo e Silva, afirmou nesta segunda-feira que o projeto que reforma a Previdência dos militares e muda aspectos das carreiras das Forças Armadas , aprovado na semana passada pelo Congresso, foi a "mais importante realização do ano de 2019" porque corrigiu "antigas distorções" e valorizou a meritocracia.

— O projeto lei da proteção social dos militares e a reestruturação da carreira militar, conduzido por iniciativa do presidente da República, foi aprovado na semana passada pelo Congresso Nacional e representou, possivelmente, a mais importante realização do ano de 2019, corrigindo anos de antigas distorções, valorizando a meritocracia, a experiência e retenção de talentos, requisitos fundamentais para permitir que o Brasil tenha Forças Armadas modernas e compatíveis com a estatura geopolítica do país — disse Azevedo, durante almoço de oficiais-generais.

Previdência dos militares : entenda as principais mudanças

Azevedo afirmou ao presidente Jair Bolsonaro , presente no evento, que ele terá a "gratidão dos militares de todas as suas famílias" quando sancionar o projeto. O ministro também afirmou que a Câmara e o Senado merecem "respeito e reconhecimento" pelo "significativo apoio" que deram à proposta.

Depois, em seu discurso, Bolsonaro confirmou que sancionará o projeto nos próximos dias e que "os tempos mudaram" para os militares.

Paulo Guedes: ‘Bolsonaro apoia as reformas. Problema é o 'timing'

 — Os tempos mudaram. Nós sancionaremos, daqui a alguns dias, o projeto de proteção social dos militares. E os tempos mudaram porque nós temos hoje em
dia, mais do que um presidente, um governo que valoriza a bandeira, respeita o seu povo, ao qual nós devemos lealdade, um governo que adora a Deus e  reconhece o valor dos seus militares.

Fonte: O Globo

Ler 36 vezes