Sinafresp-SP | Aumento da participação de AFRs na Sede e nas regionais marcou o primeiro dia de mobilização de 2020 da categoria

Hoje, expediente nas unidades fazendárias teve reuniões com as chefias e forte adesão ao Dia Sem Sistema

O Sinafresp já recebeu fotos e informações de agentes fiscais de rendas de várias regiões do Estado, relatando como estão as atividades nas regionais hoje (3), dia de retomada da mobilização da categoria pelo teto estadual único do funcionalismo.

No prédio da Sede, na capital, a diretoria liderou a concentração de AFRs no 5º andar, em frente ao gabinete da Coordenadoria da Administração Tributária (CAT).

O presidente do Sinafresp, Alfredo Maranca, destacou para os colegas presentes que hoje é apenas a largada do longo percurso que a categoria tem à frente. “Nossa luta não é apenas esse tiro de 100 metros, mas uma maratona que vamos percorrer até conquistarmos o teto”, destacou.

O presidente da Mesa Diretora do Conselho de Representantes do Sinafresp, Sérgio Trentin, fez uma crítica à forma como a administração tratou o problema salarial da classe em 2019, com foco em medidas que contemplam apenas parcela da categoria, preterindo os aposentados. Ainda, lembrou que, apesar de ter encaminhado os projetos de lei da administração que contemplavam apenas ativos (PLC 4 e PLC 5), o governo não fez as articulações necessárias para que esses fossem aprovados, utilizando-os como artifício para travar a pauta da Assembleia Legislativa e votar somente propostas de seu interesse.

O vice-presidente da Mesa Diretora, Roberto Lopes de Carvalho, fez um apelo aos colegas para que a classe participe da mobilização, contribuindo com as ações a serem empreendidas. Ele defendeu que o Sinafresp e a categoria devem lançar mão de todas as estratégias – ações coletivas de mobilização, diálogo com a administração e o governo, articulação política, pressão na mídia, via judicial etc. – de forma que uma complemente e fortaleça as demais, pressionando para que o governo finalmente resolva a questão do teto salarial. Assim, solicitou, por exemplo, que os colegas apresentem aos diretores ou representantes sugestões e argumentação para os artigos críticos a serem trabalhados pelo sindicato.

Guilherme Jacob, Victor Mendes e Mônica Paim também fizeram falas agradecendo a presença dos colegas, pedindo que todos continuem a participar das próximas ações e estimulem outros colegas a se engajarem.

Alfredo Maranca finalizou o ato afirmando que a diretoria estará na Sede periodicamente junto com os  colegas, pressionando por reuniões com o secretário da Fazenda e Planejamento e com o coordenador da Administração Tributária para argumentar pelo subteto único salarial. 

Na maioria das regionais, de acordo com o relato de colegas, houve reuniões com as chefias e grande parte dos AFRs não está acessando os sistemas da Fazenda. Confira imagens da mobilização nas regionais na galeria abaixo.

Reunião com o subcoordenador 

Tendo em vista que o secretário da Fazenda e Planejamento, Henrique Meirelles, e o coordenador da Administração Tributária, Gustavo Ley, não estavam presentes no prédio, a diretoria solicitou então reunião com o subcoordenador de Fiscalização, Vitor Manuel dos Santos Alves Junior, que se dispôs a receber um grupo formado por diretores e representantes. 

Participaram da reunião com o subcoordenador Alfredo Maranca, Guilherme Jacob, Mônica Paim, Valéria Baciega, Sérgio Trentin, Roberto Lopes de Carvalho e Marcelo Yasuda.

O clima  da reunião foi de que há disposição para dialogar com os AFRs gestores da Administração Tributária, mas é necessário conversar também com o secretário Henrique Meirelles e com o vice-governador do Estado, Rodrigo Garcia. 

Vitor observou que, no ano passado, a Secretaria da Fazenda e Planejamento apresentou os melhores resultados em todas as áreas dos últimos 10 anos e ainda assim os AFRs tiveram suas remunerações diminuídas, situação que está ficando muito difícil de contornar. Nessa esteira, o subcoordenador de Fiscalização concordou com o fato de que apenas o teto único atenderia a categoria, tendo em vista a dificuldade do governo em conseguir a aprovação do PLC 5/2019 no ano passado, reduzindo drasticamente a perspectiva do projeto ser aprovado este ano.

Fonte: Sinafresp

Ler 61 vezes