Maia diz que setores do empresariado querem ‘tributar a sociedade'

Ele quer tocar reforma tributária

Parte do setor de serviços é contra

O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) voltou a protestar contra empresários que lançaram movimento contra a proposta de reforma tributária em discussão na Casa (PEC 45/2019).

Disse que alguns setores do empresariado resistem à proposta porque querem “tributar a sociedade”.

“Há 1 movimento daqueles que não querem colaborar. Quem colabora se senta na mesa e dialoga”, afirmou. “Está se criando o pânico em alguns setores por alguns empresários que, no fundo, querem tributar a sociedade, querem a volta da CPMF”, disse o político.

Ele falou em São Paulo depois da abertura de evento do banco BTG Pactual, no começo da tarde desta 3ª feira (18.fev.2020).

Rodrigo Maia se refere a empresários dos setores de serviços e do comércio, que têm trabalhado contra o projeto em discussão no Congresso Nacional. Eles defendem a redução dos encargos trabalhistas compensado pela volta de 1 imposto tal como a CPMF.

O político disse que a reorganização do sistema de impostos é essencial para que o país volte a crescer.

Maia afirmou que a volta da CPMF é inaceitável, e que o objetivo deve ser baixar os impostos. “Se a gente fizer a reforma administrativa, vai ter espaço para reduzir a carga tributária”, afirmou.

Perguntado se o ritmo das privatizações do governo está lento, Rodrigo Maia disse o seguinte: “Eu acho que é normal que uma pressão grande por parte da sociedade contra [privatização de] Caixa, Banco do Brasil, Petrobras, exista”.

O político disse que privatizações de empresas como Eletrobras e Correios estão próximas de 1 consenso. “O que nós temos que fazer é ajudar o governo nesse encaminhamento”, afirmou.

Rodrigo Maia também respondeu sobre a possibilidade de o governo tentar usar decretos para acelerar privatizações, como publicou nesta 3ª (18.fev.2020) o jornal O Globo. “Não pode. Não tem como. É ilegal”, disse o político.

Fonte: Poder 360

 

Ler 40 vezes