Para sindicatos, congelamento de aposentadorias seria ‘injustiça histórica’

De acordo com os sindicatos, a ideia de congelar os benefícios traduz uma “lógica equivocada do governo”

Centrais sindicais criticaram a proposta da equipe econômica do governo de congelar por dois anos o valor das aposentadorias e pensões, bem como do Benefício por Prestação Continuada (BPC), para financiar o Renda Brasil. Segundo nota enviada pela Força Sindical, entidade que reúne as lideranças sindicais de diversas categorias, a ideia representaria “uma injustiça histórica contra os trabalhadores e aposentados do País”.

Na manhã desta terça, o presidente da República, Jair Bolsonaro, tratou de rechaçar a proposta dos técnicos do Ministério da Economia e encerrar, ao menos até 2022, as discussões sobre o Renda Brasil. “Até 2022, no meu governo, está proibido falar a palavra Renda Brasil. Vamos continuar com o Bolsa Família e ponto final”, disse Bolsonaro.

Centrais sindicais criticaram a proposta da equipe econômica do governo de congelar por dois anos o valor das aposentadorias e pensões, bem como do Benefício por Prestação Continuada (BPC), para financiar o Renda Brasil. Segundo nota enviada pela Força Sindical, entidade que reúne as lideranças sindicais de diversas categorias, a ideia representaria “uma injustiça histórica contra os trabalhadores e aposentados do País”.

Na manhã desta terça, o presidente da República, Jair Bolsonaro, tratou de rechaçar a proposta dos técnicos do Ministério da Economia e encerrar, ao menos até 2022, as discussões sobre o Renda Brasil. “Até 2022, no meu governo, está proibido falar a palavra Renda Brasil. Vamos continuar com o Bolsa Família e ponto final”, disse Bolsonaro.

De acordo com os sindicatos, a ideia de congelar os benefícios traduz uma “lógica equivocada do governo”. As lideranças defendem que os reajustes vão contribuir para fomentar a economia. “Com mais rendimentos, os aposentados irão fomentar o consumo, a produção e, consequentemente, a geração de novos postos de trabalho”, diz a nota enviada ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

Por fim, a Força Sindical ainda pressiona pela prorrogação do auxílio emergencial até dezembro sob o valor original de R$ 600.

A primeira parcela extra do programa, com o novo valor de R$ 300, será paga aos beneficiários na próxima quinta-feira, dia 17 “As Centrais Sindicais irão mobilizar suas bases para sensibilizar os parlamentares para garantir este direito legítimo aos trabalhadores brasileiros”, concluem as entidades.

Fonte: Estadão Conteúdo

Ler 19 vezes