Terça, 10 Dezembro 2019

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) lançou na segunda-feira (9), em Brasília (DF) o Relatório de Desenvolvimento Humano (RDH) de 2019, intitulado “Além da renda, além das médias, além do hoje: desigualdades no desenvolvimento humano no século 21”.

Publicado em Na Mídia

Grupo é contra a reforma administrativa, a redução na jornada de trabalho e as privatizações de estatais. Na sexta, terá protesto

Publicado em Na Mídia

Argentina, Venezuela e Nicarágua registram retrocessos no indicador da ONU. Nos demais, o progresso é escasso, com a desigualdade penalizando sistematicamente

O desenvolvimento humano está avançando na América Latina, embora a uma taxa visivelmente mais baixa do que no restante do mundo e menor do que nas últimas décadas. Todos os países da região, exceto três — Argentina, Venezuela e Nicarágua, economias imersas em crises econômicas e políticas —, melhoraram no ano passado no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH que reúne muitas variáveis em todas as áreas), divulgado nesta segunda-feira pelas Nações Unidas. A desigualdade é especialmente cruel no subcontinente — a região mais desigual do mundo — e aumentou sistematicamente nas medições de praticamente todos os países da região. O IDH é uma fórmula para medir o bem-estar da população muito mais completa que a renda per capita: não se atém aos fatores econômicos e inclui variáveis como expectativa de vida e qualidade da educação.

Publicado em Na Mídia

''O que existe na Câmara é a PEC 136 (de autoria de parlamentares), essa sim com o objetivo de criar, na Constituição, tal imposto'', tuitou

Publicado em Na Mídia

Agravada durante a ditadura militar (1964-1985) e pouco combatida durante os governos classificados como progressistas, a concentração de renda no Brasil não esteve nem perto dos padrões internacionais mais razoáveis ao longo das últimas décadas, diz o sociólogo Pedro Ferreira de Souza, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). "Nenhum país é tão desigual e por tanto tempo sem ter se acostumado com isso", diz ele, que foi o grande vencedor na categoria Livro do Ano do 61.º Prêmio Jabuti. Uma História da Desigualdade: a Concentração de Renda entre os Ricos no Brasil - 1926-2013 (editora Hucitec) traz uma análise dos dados do Imposto de Renda durante 87 anos - a maior série do tipo já publicada. Mostra que o 1% mais rico dos brasileiros manteve entre 25% e 30% da renda total desde então. Como comparação, na Alemanha a concentração é de cerca de 10%; no Chile, um pouco acima de 20%. A seguir, trechos da entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo.Quando o Brasil, visto do topo, foi menos desigual?

Publicado em Na Mídia

Corte de salário valerá para servidores que ganham mais de 3 mínimos

Publicado em Na Mídia

Texto do senador Oriovisto Guimarães sugere que o benefício passe a ser calculado de acordo com a renda dos trabalhadores

Publicado em Na Mídia

O governo francês anunciou nesta quarta-feira que manterá sua controversa reforma da Previdência, apesar de sete dias de greve nos transportes públicos e dois dias de protestos nacionais, mas ofereceu algumas concessões aos manifestantes.

Publicado em Na Mídia

A atuação das entidades passaria a ser fiscalizada pelos próprios associados.

Publicado em Na Mídia
Página 1 de 2